Nikolai Berdiaev – O Divino e o Humano – Capítulo XIII: A Religião do Espírito, Uma meditação devota.

O maior erro do qual é culpado o Cristianismo histórico se deveu à noção limitada e desestimulante de que a revelação estava terminada e que nada mais há a se esperar, que a estrutura da Igreja havia sido inteiramente construída e o telhado colocado até a cumeeira. A controvérsia religiosa está essencialmente ligada com a questão da possibilidade de uma nova revelação e de uma nova era espiritual. Todas as outras questões são de importância secundária. A nova revelação certamente não deve ser pensada como uma nova religião distinta do Cristianismo, mas como a realização e o coroamento da revelação Cristã, e o atingimento de seu verdadeiro ecumenismo. Esse ecumenismo ainda não aconteceu. A revelação do Espírito não pode simplesmente ser aguardada; ela depende também da atividade criativa do homem; ela não pode ser entendida simplesmente como uma nova revelação de Deus ao homem; ela é também uma revelação do homem a Deus. Isso implica que ela será uma revelação divino-humana. A separação e a oposição entre o divino e o humano será superada no Espírito, embora sua distinção se mantenha preservada. Esse é o ápice da dialética mística do divino e do humano. É também o fim da objetificação, da projeção da revelação no exterior, e do ingênuo realismo da concepção da revelação.

Na relação entre o homem e Deus é possível uma experiência espiritual infinita. Podemos pensar que a religião do Espírito – e é exatamente disso que estamos falando – seja uma nova forma de imanentismo. Mas as velhas controvérsias sobre o imanentismo e o transcendentalismo devem ser vistas como superadas. A própria maneira como a questão é colocada está inteiramente equivocada, por ser abstrata e não dialética. Assim como não é possível romper a ligação entre o divino e o humano, e afirmar um desses princípios abstratamente, da mesma forma não se pode separar o transcendente do imanente, e afirmar um deles em termos abstratos. A vida real consiste na interrelação entre um e outro. O transcendente se torna imanente, e sem essa imanência ele é abstrato e sem vida. Ele não passa da objetificação levada ao limite. Da mesma forma, o imanente não pode ser considerado sem o transcendente. A vida imanente demanda um processo transcendente. O puro imanentismo, que nega o transcendente, equivale a girar num círculo sem saída. Quando o humano é visto como divino, e se afirma a identidade entre os dois, a chamada vida real chega ao fim, e seu caráter dramático deixa de existir. Quando o transcendente é pensado exclusivamente como imanente, e deixam de existir o mistério transcendente e o distante, o imanente se vê desprovido de vida e conteúdo. Com base nisso, tudo o que as controvérsias de antes chamavam de imanentismo, está hoje ultrapassado, e deve ser decididamente rejeitado.

O Espírito Santo é o principio de união entre Deus e a criatura, e é Nele que o mistério da criação, um mistério que é antropológico e cosmológico, deve se revelar. A religião do Espírito, que é também a religião da Trindade, não será, afinal como a religião monista do espírito de Karl Eduard von Hartmann, na qual, aliás, nada existe de Cristão. A chegada da nova era do Espírito, na qual as mais altas conquistas da espiritualidade estarão presentes, pressupõe uma mudança na consciência humana, e que ela receba uma nova orientação. Trata-se de uma mudança revolucionária de consciência, que até hoje foi concebida de maneira estática. Mitos, lendas, dogmas aparecerão sob uma forma diferente de acordo com o grau de consciência, de acordo com a maior ou menor extensão de imobilidade e endurecimento possível de ser ultrapassada. A religião do Espírito será a religião do homem, quando ele estiver maduro; ela deverá emergir desde a sua infância e juventude.

Podemos adivinhar alguns traços dessa religião eterna, que só é nova na aparência, dessa religião Cristã e Trinitária, dessa religião livre da escravidão e do mundo dos objetos. Na religião do Espírito, a religião da liberdade, tudo deve aparecer sob uma nova luz. Não haverá autoridade, nem retribuição; o pesadelo de uma concepção legalista doo Cristianismo, e de um inferno que dura para sempre, finalmente desaparecerá. A base dessa religião não será o julgamento num tribunal de retribuição, mas um desenvolvimento criativo e uma transfiguração, uma assimilação a Deus. Uma nova antropologia se revelará, e o significado religioso da criatividade será reconhecido. Será reconhecida a liberdade, como sua base primária. A ideia de Deus deverá ser purificada desse sociomorfismo servil. A ideia de Deus como suficiente em si mesmo, enquanto um potentado que exerce o poder, ainda inclui relíquias de uma idolatria que ainda não foi superada. Somente a concepção de Deus sofredor, que anseia pelo Outro, e como sacrificado, pode submeter o ateísmo e a luta contra Deus. Existe um paradoxo no conhecimento de Deus que deve ser encarado corajosamente e colocado em palavras, a saber: a afirmação de Deus por todo o meu ser implica que Deus existe; a liberdade humana cria Deus, e isso significa que Deus é; minha criação de Deus é um ato de criação divino-humano.

Tudo isso conduz à reavaliação da ideia da Providência, uma questão com a qual o ateísmo está mais estreitamente ligado. A religião do Espírito é a expectativa de que se revele uma nova comunhão da humanidade, um sentido de comunhão do espírito que seja realmente humano, e que irradie amor e carinho. A religião do Espírito é também a expectativa da revelação de uma nova relação entre o homem e o cosmo, e uma expectativa de transfiguração do cosmo. O processo de desintegração do cosmo, que se deve a uma relação puramente científica e técnica em relação a ele, está chegando ao fim. Sua fase final consistirá na desintegração do átomo. Tudo isso encontra suporte no tema da escatologia, numa visão ativa da escatologia. Mas essas coisas de modo algum implicam uma visão otimista da história. Já falei a respeito. A revelação da luz não significa a negação da escuridão. Ao contrário, antes da era do Espírito, o homem deverá passar por um espessamento das trevas, através de um período de noite escuríssima. Vivemos tempos trágicos na medida em que testemunhamos o processo por meio do qual, como resultado das descobertas no domínio da física, a natureza foi despojada de sua alma e foi devastada, e o cosmo, por assim dizer, desapareceu. Marx e o materialismo histórico retiraram da história sua alma e a devastaram também. Freud e a psicanálise fez a mesma coisa com a própria alma humana. O fim da guerra e a revolução revelaram uma crueldade incrível; a humanidade turvou-se e desfalece; o Criador parece se retirar de Sua criação: Ele está presente apenas incógnito (uma expressão favorita de Kierkegaard). Mas tudo isso pode ser entendido como um momento dialético na revelação do Espírito e na nova vida espiritual. É preciso morrer para recuperar a vida. A crucificação do homem e do mundo está diante de nós, mas a última palavra pertence à Ressurreição.

Ainda não entramos na era do Espírito; estamos penetrando numa era de trevas. Existiram precursores da nova revelação do Espírito por toda a extensão da história do Cristianismo, e é o que está acontecendo agora. Sempre existiram pessoas espirituais que viviam adiante de seu tempo. Os doutores Orientais foram de grande importância para a interpretação do Cristianismo como uma religião do Espírito, em especial Orígenes e São Gregório de Nissa, esse último ainda mais do que o primeiro. Sua doutrina sobre o homem foi a mais exaltada na história do pensamento Cristão, e sua espiritualidade antecipou toda a história do misticismo Cristão. Longe dali o movimento religioso na Itália entre os séculos XII e XIII, que representaram uma busca do Cristianismo pelo Espírito Santo, foi de enorme importância. Suas figuras centrais foram São Francisco de Assis, cujo caráter se aproximava do padrão da pessoa de Cristo, e Joachim de Floris, que tinha premonições proféticas, embora essas fossem, às vezes, expressas de forma ingênua. Nos movimentos religiosos populares aconteceram também algumas coisas novas. A estrutura apocalíptica da mente surgiu na Europa depois da Revolução Francesa e das Guerras Napoleônicas, embora através de uma expressão muito confusa. O movimento místico Alemão que começou no século XIV, representado por Eckhardt, Tauler e outros, foi ainda de grande importância para essa mudança de consciência. Mas Jacob Boehme, e mais tarde Angelus Silesius tiveram importância ainda maior.

A metafísica idealista alemã do começo do século XIX também constituiu um evento marcante na história do espírito Europeu, na dialética do divino e do humano; e, apesar da natureza errônea de sua tendência monística, ela preparou o caminho que levou à possibilidade de uma nova consciência. O misticismo Alemão como um todo, é claro, inclinava-se a ser hostil em relação ao pensamento escatológico. Foi na Rússia que a aspiração escatológica, com sua expectativa de uma nova era do Espírito, e sua crença na possibilidade de uma revelação culminante, foi expressa com mais força. Se compararmos um dos maiores santos Russos, São Serafim de Sarov, com um dos mais recentes santos do Catolicismo Romano, Jean Baptiste Vianne, o Cura de Ars, somos impactados pelo fato de que em São Serafim toda aspiração está dirigida exclusivamente no sentido da ressurreição, da transfiguração de toda a criação no Espírito Santo, vale dizer, em direção ao futuro. No Cura de Ars tudo se dirige para a Cruz, ou seja, para o passado. A tendência apocalíptica e escatológica pode também ser encontrada nos movimentos religiosos populares da Rússia e na busca da verdade pela intelligentsia Russa, assim como nos momentos supremos do pensamento religioso Russo. Aqui eu me permito meis uma vez mencionar nomes aos quais já me referi várias vezes, em especial Dostoievsky, Soloviev e Fedorov, e ainda um homem que permanecer à parte do pensamento Ortodoxo, esse caçador da verdade, esse buscador de Deus: Leon Tolstoy. Os movimentos religiosos e filosóficos que surgiram no começo do século XX possuem os mesmos matizes.

Mas um dos mais notáveis precursores da religião do Espírito foi Cieszowsky, o filósofo do messianismo Polonês. Nele a concepção do Espírito como o coroamento e a revelação completa se expressa mais claramente do que em Soloviev. Seu pensamento se coloca fora da estrutura do Cristianismo histórico, embora preserve uma ligação com a Igreja Católica Romana. A ligação com a Igreja é da maior importância a esse respeito, por salvar o movimento pela nova revelação do Espírito de adquirir um caráter sectário. E essa ligação se tornou uma possibilidade para a própria Igreja Ortodoxa, pois ela contém mais potencial do que o Catolicismo Romano. No Catolicismo Romano, Léon Bloy segue sendo o grande homem do Apocalipse. Nele existe um grande elemento profético. Mas nesse estupendo escritor, como em muitos outros, as premonições proféticas se misturam com sobrevivências das velhas ideias da monarquia sacrossanta, com o culto a Napoleão e coisas assim. Pessoas como Kierkegaard tiveram muito significado, mas sua influência agiu indiretamente. Também Charles Péguy pode ser considerado como um precursos da era do Espírito.

Mas devemos reconhecer como precursores da era do Espírito não apenas aqueles que se consideravam deliberadamente Cristãos, mas devemos incluir aí também os que não se denominavam Cristãos, e mesmo alguns que eram anti-Cristãos em seu pensamento. o fato é que, mesmo a luta contra Deus pode ser uma maneira de servir a Deus, e pode ser mais verdadeiramente religiosa do que a frieza e a indiferença. Um novo patamar se concretizou com a experiência trágica do homem e com sua atividade criativa. Esses precursores da era do Espírito Santo não podem ser chamados de devotos, no sentido usual do termo. Nietzsche teve enorme importância; sua aparição representou um momento altamente significativo na dialética do divino e do humano, sem cuja consumação nenhuma nova era religiosa seria possível. Mais ainda, existe um importante elemento de consciência messiânica também no socialismo, por mais que hoje em dia ele esteja associado ao ateísmo. Dentre os grandes escritores do século XIX, devemos destacar Ibsen coo tendo uma mentalidade profética; ele costumava falar do terceiro Reino, o Reino do Espírito. É impossível decidir em termos racionais a posição da linha que separa o Espírito Santo do Espírito, e aquilo que é referido simplesmente como Espírito pode ter relação com o Espírito Santo, cuja operação no mundo é universal. Deus pode não estar onde gostaríamos que Ele estivesse, e ele pode estar onde n os recusamos a vê-lo. A presença de Deus no mundo é misteriosa, e não está sujeita a uma definição precisa. É igualmente impossível estabelecer com precisão as fronteiras da Igreja. Esses limites estão rigidamente fixados para propósitos de exercer o poder. A política é a mais fatal das forças na vida humana, é ela que perverteu a existência da religião, e que banhou a história da Igreja em sangue. A era do Espírito não irá tolerar a intromissão da política na vida do Espírito.

Houve um grande período na história humana durante o qual a consciência estava estabilizada, e parecia ser imóvel e inalterável. Correspondentemente, havia uma certa condição do mundo, que era vista como a única realidade. A crença, que é a revelação das coisas invisíveis, estava dirigida a um mundo diferente daquele que corresponde à estrutura da consciência humana considerada média e normal. A filosofia espiritual tradicional das escolas, de caráter demasiado abstrato, reconhecia a natureza espiritual da alma humana. Mas ela não abria novos horizontes sobre outros mundos que não esse, nem enfatizava as possibilidades de uma experiência espiritual. Tudo se passava dentro de limites estabelecidos, dentro da ordem da objetificação do Espírito, dentro da esfera da antítese entre sujeito e objeto. Mas a objetificação do Espírito, sua alienação de si próprio, sua projeção no exterior, é o principal entrave ao transbordamento do Espírito no mundo. O reconhecimento do Espírito, que na verdade é uma objetificação do Espírito, é o maior obstáculo que a nova espiritualidade e o advento da era do Espírito têm que enfrentar.

O pensamento religioso e filosófico da Índia sempre acreditou na possibilidade de uma mudança de consciência; ele vê a consciência como uma dinâmica. Mas falta-lhe uma concepção do dinamismo da história. Na Europa Cristã, por outro lado, existe uma grande consciência do dinamismo da história, mas falta uma concepção dinâmica da consciência. A consciência é vista na Europa Cristã numa forma estática, e a isso se liga a ideia de uma natureza imutável do homem. Na Índia, a concepção do dinamismo da consciência não nos satisfaz, por causa do monismo do pensamento e seu fracasso em reconhecer o papel do princípio humano. É n o Cristianismo que se revelou esse papel. A nova era do Espírito, a nova revelação a se consumar deverá ter sua contrapartida numa mudança correspondente na estrutura da consciência humana. E essa mudança deverá ser preparada por um esforço espiritual. Mas a cada grau de revelação corresponderam objetificações. No processo da revelação, aquilo que deveria ser revelado desde dentro e a partir das profundezas, apareceram, ao contrário, como tendo sido revelado desde fora e desde o alto. A objetificação sempre implica rompimento e dicotomia; é o que Hegel chamava de consciência infeliz. A nova revelação do Espírito Santo porá fim à alienação e à objetificação, não apenas no pensamento, mas na própria vida, na experiência espiritual vital; será um movimento em profundidade. A consciência passará a uma supraconsciência, e será revelado um mundo que jaz além da esfera na qual sujeito e objeto se encontram separados. Isso implicará um movimento de perda do mundo fenomenal endurecido e empedrado, e uma maior transparência do núcleo noumênico do mundo.

Uma religião ecumênica será a religião do Espírito purificada de seus elementos escravizantes; será a religião do Espírito Santo, na qual estará contida a plenitude da revelação e todo o poder da emancipação. Esse será o Evangelho eterno. O homem é uma mistura; nele existe uma combinação de criatura e criador, ele está cheio de matéria, absurdo e caos, e ainda assim é o possuidor de uma força criativa para realizar coisas novas. A criatividade no mundo é algo parecido com o oitavo dia da criação. Uma vida realmente nova é criada, não pelo fato de que o homem se coloca diante de alguma ajuda externa para obter coisas, para cuja realização ele concorda, e até se vê compelido, ao uso de meios criminosos, mas acima de tudo, por irradiar de seu interior, de seu próprio “eu”, uma energia criativa benigna e transfiguradora. A nova vida, a nova era do Espírito pressupõe uma mudança total no homem, não apenas uma mudança nessa ou naquela porção isolada desse. Trata-se de uma mudança moral, intelectual e estética, e ao mesmo tempo de uma mudança social. E acima de tudo trata-se de uma renovação manifesta da alma. Não haverá um aspecto especificamente religioso ou eclesial na vida, mas toda a vida se tornará religiosa. Somente em termos espirituais o homem pode ser independente. Biológica e socialmente ele depende da natureza e da sociedade. É por isso que nenhum movimento social isolado tem força, se não for acompanhado de um movimento espiritual, e não constituirá nada de novo, a não ser a repetição do velho, ainda que em nova roupagem.

O apocalipse mostra uma forma simbólica do curso destrutivo do mal. Mas não devemos interpretar o apocalipse como um destino, como se os terríveis resultados dos processos mundiais fossem inevitáveis. Isso acarretaria numa completa negação da realidade. Somente o caminho do mal constitui um destino. O caminho do bem é construído sobre a liberdade do homem, que partilha da criação do mundo. Na revelação do Espírito, o final apocalíptico deve aparecer sob outra luz. O apocalipse do Cristianismo histórico mostra os destinos finais da humanidade como uma completa separação e um rompimento entre Deus e a humanidade, como sendo aquilo que Hegel chamou de “consciência infeliz”. O apocalipse da religião do Espírito mostra nos destinos finais da humanidade como um ato criativo divino-humano, como um trabalho realizado pela colaboração entre Deus e o homem. O final positivo, aquele que decide as coisas, deve depender tanto do homem, como de Deus. O destino pode ser superado pela liberdade.

O processo histórico se divide em dois, e seu resultado pode ser avaliado de duas maneiras; mas se não houvesse nada de positivo no final, a criação do mundo teria sido um fracasso. No Livro da Revelação existe uma profecia do “reino dos mil anos”, e o resultado positivo do processo do mundo está simbolizado aí. Mas a Igreja histórica teve medo do milenarismo e silenciou a respeito dele. Esse simbolismo deve revelar novamente seu significado de uma maneira nova na revelação final do Espírito. A ideia do “reino de mil anos” foi deixada de lado pelo Cristianismo histórico, num estado abstrato e sem vida. Ele ganhou vida e se tornou concreto nos movimentos sociais que aparentemente se produziram fora do Cristianismo. Se os resultados negativos do processo histórico universal tiverem que ser consumidos pelo fogo, seus resultados positivos deverão ser pensados concretamente, na forma de uma vida comunitária revivida em toda sua plenitude, como uma comunidade inspirada e sustentada pela liberdade. Se a existência humana tiver que se tornar a expressão encarnada de uma vida completamente organizada, mecanizada e racionalizada de massas – não de pessoas – se ela tiver que ser dividida em categorias e ser ao mesmo tempo completamente totalitária, vale dizer, se os últimos traços de liberdade tiverem que desaparecer, então desaparecerão o espírito e a espiritualidade, porque o espírito é liberdade. Uma comunidade livre só pode ser resultado de um movimento que seja ao mesmo tempo espiritual e social, no qual essas coisas não sejam mais separadas e opostas uma à outra.

A Encarnação e a vida terrena de Jesus constituirão uma interpenetração de duas naturezas; a mão de Deus foi colocada sobre o Escolhido. Somente na Ressurreição Jesus subiu às alturas infinitas. Aquilo que aconteceu individualmente ao Deus-Homem deve acontecer também ao Deus-humanidade, e essa será a terceira revelação do Espírito. É impossível aceitar a ideia de que o impulso criativo vital, os momentos de luminosa alegria, de amor criativo e de libertação, que foram experimentados num êxtase, desaparecerão todos para sempre, voltando ao nada sem deixar traços. Ao final da revelação haverá um infinito, não o sinistro infinito que não tem fim, mas o bom infinito que é a eternidade. Haverá treva e sofrimento no futuro, tal como existe hoje. Mas haverá também uma luz sem precedentes, o surgimento de um homem novo, de uma nova sociedade, de um novo cosmo. Haverá a culminação da dialética mística do ser trinitário de Deus.

O pneumocentrismo já foi prenunciado no Evangelho. Tudo ocorre no Espírito e por intermédio do Espírito. A partir de um certo momento, esse pneumocentrismo começará a crescer. O Espírito foi sufocado pelo Cristianismo histórico e a história tomou um rumo posto ao Cristianismo. Nisso consistiu a passagem através de um rompimento e de uma ruptura da ligação divino-humana. Ao final, essa foi a morte antes da ressurreição para uma nova vida. Uma angústia mortal se apoderou da humanidade, mas o tempo está se encurtando e o tempo final logo chegará. A Igreja, que começa a dar a impressão de impotência, de ter perdido o dom do Espírito, surgirá em sua natureza eterna, inspirada por um espírito profético. Essa será a Igreja tal como expressou São João, a Igreja da qual a Ortodoxia está mais próxima. Um apocalíptico Russo disse que na Ortodoxia se pode encontrar uma paciência escatológica, mas que nas suas profundezas existe também uma grande expectativa escatológica. Na Igreja do Espírito Santo entrará tudo o que foi criativamente positivo e que na aparência estava fora da Igreja, e mesmo o que se opunha a ela. O problema escatológico é a questão final da dialética entre o divino e o humano.

Fonte: blog Caminho de Oração

Um comentário em “Nikolai Berdiaev – O Divino e o Humano – Capítulo XIII: A Religião do Espírito, Uma meditação devota.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s