AMOR SEM LIMITES – 14. O orvalho da manhã

AMOR SEM LIMITES
14. O orvalho da manhã

Filho meu, quero que te sintas em comunhão com meu grande universo, com seu informe de aspiração, com o seu informe de ação de graças. Quero, porém, especialmente nesses instantes em que intentas ser um com o amor sem limites, que sejas muito humilde.
Viste o orvalho da manhã. Preciosas pérolas são formadas sobre as lâminas da relva e das flores, antes ou pouco depois do sol nascer.
O orvalho é abundante onde a terra é úmida e descoberta, quando o tempo é claro e a calmaria é perfeita.
Cada gotinha iridescente forma as cores do arco íris. Por mais minúscula que seja, a pequena gota reflete a cores fundamentais do universo.
Filho meu, sê tu essa ínfima gota de orvalho, que nasce em um terreno de úmida ternura quando se levanta o sol em um coração amante.
Sê tu esta gota que, em toda a sua pequenez, em sua medida, reflete a beleza do mundo.
E, depois, deixa-te reabsorver na luz e no calor do sol. É o sol que dá o ser às gotas de orvalho.

FONTE: ECCLESIA

AMOR SEM LIMITES – 13. Houve uma tarde e uma manhã

AMOR SEM LIMITES
13. Houve uma tarde e uma manhã

Não menos que seis vezes, no primeiro capítulo do primeiro livro sagrado dos hebreus, Deus é apresentado criando os dias da semana e fixando a tarde como ponto de partida. A maneira de contar o tempo dos homens de hoje não é a tua, Senhor. Os homens, instintivamente, situam a manhã como o início do dia.
O dia começa com a claridade do amanhecer. Depois vem a alegria da aurora, a ascensão do sol, a glória do meio dia, o declínio e a sombra, a tristeza do crepúsculo e, finalmente, a tragédia física e o terror das trevas.
Contigo, Senhor, não é assim. Tu proclamas que primeiro houve uma tarde e só depois uma manhã.
O teu dia começa ao anoitecer, na escuridão noturna, e se move em direção à manhã, em direção à luz, em direção ao resplendor da sarça ardente e do sol do meio-dia.
Assim, nosso amor, sempre começando, sempre tão débil, incerto e ameaçado irá se abrindo em direção à claridade do amor sem limites.
Sem dúvida, a tarde voltará. Porém, um abismo separa a visão de um dia que declina para a noite e a de um dia que se eleva em direção à manhã.
O que importa, Senhor, é o sentido que tu dás ao movimento dos dias. Da ordem que seguem, fazes para nós um símbolo. Desde o princípio, orientaste a evolução do tempo em direção à sua plenitude luminosa. Tu nos orientas para a manhã.
Senhor, torna-me mais consciente do suceder dos meus dias. Apesar da obscuridade do momento, dá-me a intuição do crescimento do sol do amor. Abre-me todo ao chamado, e fortalece minha esperança na proximidade do dia sem crepusculo do teu Reino.

FONTE: ECCLESIA

AMOR SEM LIMITES – 12. A porta da esperança

AMOR SEM LIMITES
12. A porta da esperança

Amigo meu, na medida em que pronuncias estas palavras: “Amor sem limites”, na medida em que dás à esta realidade suprema um lugar em teu coração, abres uma porta, a porta que faz entrar no reino da liberdade e da luz.
É a porta da esperança, o dintel (viga, madeiro) da extensão de teu ser.
Esperança: espera o que está por vir. Espera carregada de amor, fundada no amor. Pois não sei espera mais que o que se ama.
Não confunda tuas “esperanças” no plural com a tua “esperança” no singular. tuas esperanças, isto é, as coisas particulares, limitadas, que gostarias de ver realizadas e que freqüentemente não correspondem mais do que a uma vontade egoísta; tal sucesso, por exemplo, ou tal cura. Estas são esperanças, e não a Esperança.
A Esperança: um anseio, um desejo, uma espera que não leva apenas a um objeto particular, mas ao conjunto do teu destino. Não se trata apenas de uma certa porção de uma curva, mas da totalidade desta curva.
Se consideras apenas um fragmento da curva de tua vida, podes ter a impressão de um fracasso, de uma queda. Porém, olha toda a linha de tua vida com uma confiança inspirada pelo amor. O A própria morte, de tão grande importância, não é mais que um momento, um ponto na curva. O amor não morre. Nada que que é amor se perde.
A porta da esperança está aberta diante de ti e ninguém poderá fechá-la. Como se apresenta, de fato, esta porta? É a porta da ocasião que o amor te oferece a cada instante.
Pensa na série de ocasiões fracassadas no curso de tua vida. Às vezes, dizes a ti mesmo: “Se eu tivesse sabido! Se, em tal circunstância, tivesse agido de outra maneira! Se eu pudesse fazê-lo novamente!” Não é possível refazer o que foi feito. Sim, há ocasiões perdidas; não voltarão jamais. Porém, essas ocasiões perdidas não são nada comparadas às que existem agora, em comparação com as que eu te ofereço neste momento.
A porta da ocasião presente, que também é a porta da esperança, está bem diante de ti, bem à tua frente a cada minuto. Isso varia em cada homem. Não fiques sentado à porta esperando por alquém que venha abri-la e imaginando-a fechada. Não tens mais que empurrá-la ligeiramente, e ela se abrirá por completo.
No momento em que passares o umbral, o amor sem limites virá a ti. É Já, de minha parte, algo mais que amor prometido. É amor doado. Mas, neste mundo, enquanto estás nesta vida, podes quebrar este vínculo. Este vínculo ainda é imperfeito. Ainda estamos nos esponsais; há esperança mais do que a posse. Porém, comece a andar com a esperança que tens, com tua jovem, primaveril, tua verde esperança.
Espera em teu Senhor-amor, mesmo quando parecer que serás triturado. O cume da esperança é a espera contra toda esperança.
A esperança é sem limites porque procede do amor sem limites e se abre sobre ele. O Amor sem limites não pôs em teu dedo este anel de esponsal que é a esperança sem limites?

FONTE: ECCLESIA