ESPAÇO ESPIRITUAL MITCH HAM ELL – O NÃO-DUALISMO

O NÃO-DUALISMO

Nos acreditamos separados, acreditamos na existência separada de Deus, de
nós seus filhos e da Criação, todos como sendo coisas distintas, ainda que
as consideremos interdependentes, isso no entanto é dualismo.
O não- dualismo ensina que Deus, seus filhos e a Criação são uma mesma
coisa e uma mesma energia, portanto, o não-dualismo não reconhece nada
além do Um, de Deus, que também pode ser chamado de Amor.
O não- dualismo não nega a existência de várias consciências, a de Deus
e a de seus filhos, ainda assim, ele nega a existência de almas individuais, mentes
individuais e eu’s, afirmando que todas as consciências pertencem a uma mesma
Alma, Mente e Eu, portanto, o não- dualismo afirma claramente que “Todos somos Um”.
Se o não- dualismo afirma que todos somos Deus, isto significa que todos somos Amor
e Perfeição, portanto, o não- dualismo acredita na perfeição de todas as consciências,
acredita na igualdade entre Deus e seus filhos, assim como na igualdade entre
a Criação e o Criador, sendo ambas Amor, aliás, sendo ambas a mesma coisa.
Isto não significa que a consciência de Deus não seja superior à nossa,
Ela o é, pois é a única incriada, e que está além da Criação, ainda
assim ela é relativamente igual à consciência de seus filhos.
Para o não- dualismo todos somos tudo, somos a
Realidade, Deus, o Amor, a Vida, tudo é nosso Ser.
O não- dualismo considera então que todas as sensações ilusórias de
separação e falta de Amor são apenas aparentes, ilusórias, o não -dualismo
afirma que só é real aquilo que é igual ao Um, isto é, perfeito e imutável,
sendo assim, tudo que é imperfeito e impermanente é ilusório, como é o caso
do Universo e do eu humano (que são apenas fenomenologicamente reais do
jeito que se apresentam), que são ilusões e não realidade, e por trás delas
reside a realidade, respetivamente, dos Planos do Real e dos
Eu-Alma, que são, dentro do possível, iguais a Deus.
O não- dualismo afirma que tudo é uma expressão do Amor (a Realidade
Única, Deus), ainda que nem sempre este seja bem compreendido e aplicado.
O não-dualismo reconhece então o Universo e o eu humano como condições
ilusórias, pois se afastaram dos Planos do Real e do Eu-Alma, ainda assim
reconhece um propósito nisso tudo, o de desenvolvimento da personalidade
dos Eu-Alma, portanto, ainda que o não-dualismo reconheça a ilusão da
separação, a observa como uma escola divina de Deus, pois sabe que apenas
na separação ilusória a personalidade dos Eu-Alma pode ser desenvolvida.
O não- dualismo ainda assim sabe que o objetivo é superar essa condição, pois
sabe que a escola universal é temporária. Aquele ser que entende o não-dualismo
busca a cada momento trazer seu Eu-Alma para o Universo, e ver o Universo e seus
irmãos tal como eles verdadeiramente são, puro Amor, Luz e Perfeição imutáveis.
O não-dualismo afirma portanto que qualquer condição adversa no Universo
e nas personalidades humanas não passa de ilusão, ainda que reconheça que
essas condições devem ser transmutadas para que os envolvidos
possam prosseguir com suas jornadas universais.
Nossa observação e caminhada espiritual é frequentemente dualista,
mas os grandes mestres têm nos ensinado o não- dualismo, e é ele
que devemos compreender e aplicar se desejamos realmente
evoluir e ajudar nossos semelhantes a evoluirem também.

Espaço Espiritual Mitch Ham Ell- 08/10/10

Os direitos autorais desta mensagem pertencem ao Espaço Espiritual Mitch Ham Ell (http://www.mitchhamell.com.br).
A publicação em websites é permitida, desde que as informações não sejam alteradas e os créditos do autor e seu site
sejam incluídos. Este material não pode ser publicado em jornais, revistas e nem re-impresso sem a permissão do autor.
Para pedir permissão, escreva para mitchhamell@mitchhamell.com.br

VIA ESPAÇO ESPIRITUAL MITCH HAM ELL

ESPIRITUALIDADE – POR ESDRAS COSTA BENTHO

Não quero fazer parte de uma espiritualidade que negue ao homem a condição humana.
Não quero fazer parte de uma espiritualidade que ignore as tragédias e o sofrimento alheio.
Uma espiritualidade mais humana do que religiosa.
Penso numa espiritualidade bíblica sem ser bibliólatra.
Penso numa espiritualidade teologal sem os entraves do teologismo.
Uma espiritualidade mais cristocêntrica do que evangélica.
Quero viver uma espiritualidade que conviva com a Terra sem devastá-la.
Quero viver uma espiritualidade que encontre na arte, música e cultura a Beleza Divina.
Uma espiritualidade fincada na mundanidade, mas afastada do mundanismo.
Nego-me a aceitar uma espiritualidade espoliadora, motivada pelo lucro fácil e vil.
Nego-me a aceitar uma espiritualidade que para ser eficaz precisa ser rica.
Uma espiritualidade sem a ideologia do lucro.
Não acredito numa espiritualidade que se afasta dos pobres.
Não acredito numa espiritualidade que se aproxima dos ricos.
Uma espiritualidade comprometida com a coletividade.
Quero uma espiritualidade que, próxima de Deus, não me afaste dos homens.
Quero uma espiritualidade que, próxima dos homens, não me afaste de Deus.
Uma espiritualidade integral, como integral deve ser a vida no Espírito.

Por Esdras Costa Bentho
http://cpadnews.com.br/blog/esdrasbentho/
http://teologiaegraca.blogspot.com/
http://teologiaegraca.blogspot.com/2010/04/espiritualidade.html

Impregnado de Amor (Dallas Willard)

Jesus anunciou nas bem-aventuranças que mesmo as pessoas mais desprovidas de insignificantes da terra poderiam ser abençoadas por viver no reino: os pobres, os tristes, os em reputação ou crédito (os mansos), e assim por diante (Mt 5.3-10; Lc 6.20-23). A bem-aventurança não estava em sua condição de pobres, tristes ou desrespeitados. Eles eram abençoados porque podiam entrar no reino, e estar no reino significa ser abençoado não importa o que mais aconteça. Eles podem descansar nisso. Seu futuro em Deus está assegurado, e sua condição presente, redimida. Para sempre. De qualquer forma.
Assim, na visão de mundo de Jesus, ser próspero, ter a “boa vida”, não inviabiliza o ser uma pessoa verdadeiramente boa. O conflito que os moralistas têm enfrentado em vão por séculos reconciliar é reconciliado por aqueles que vivem no reino de Deus. Não tenho de entregar minha integridade para me assegurar ao que é bom para mim. Uma pessoa realmente boa, como Jesus ensina, é alguém impregnado de amor: amor pelo Deus que “nos amou primeiro” e que, em seu Filho nos ensinou o que é o amor (1 Jo 4. 9-11). E então, como resultado da abundância de tal vida no reino, levará amor a todos com quem temos contato significativo, nossos “próximos”. A riqueza da vida Shemá (Dt. 6. 4-5) naturalmente flui para dentro da cena humana.
O amor significa disposição para o bem, determinação em beneficiar o que ou quem é amado. Podemos dizer que amamos bolo de chocolate, mas não amamos. Antes, queremos comê-lo. Isso é desejo, e não amor. Em nossa cultura, temos um grande problema em distinguir entre amor e desejo, mas é essencial que façamos essa distinção. O grego do Novo Testamento tem várias palavras para “amor”. Duas são eros (de onde obtemos a palavra “erótico”) e ágape. Amor ágape, talvez a maior contribuição de Cristo à civilização humana, deseja o bem a quem quer esteja voltado. Ele não deseja consumi-lo. O ensino sobre amor que ainda permeia a civilização ocidental em seus melhores momentos entende isso. O chamado mais eleveado a seres morais é o de amar. Muito antes da vinda de Cristo isso era compreendido de maneira obscura. Sócrates observou, de acordo com Platão, que “o bem faz bem a seus vizinhos e o mal lhe faz mal”. Mas os gregos, como todo o seu fulgor, nunca conseguiram resolver o próximo problema da fila, que era como alguém se torna uma pessoa verdadeiramente boa no sentido já abordado. Como Jesus responde a essa quarta pergunta sobre visão de mundo?
Como você se torna uma pessoa verdadeiramente boa? Você coloca a sua confiança em Jesus Cristo e se torna seu aluno ou aprendiz na vida no reino. Isso equivale a, progressivamente, entrar na abundância de vida que ele nos traz. Você aprende dele como viver no reino de Deus como ele mesmo viveu. Há muito a ser aprendido depois que você entra. Passar pela porta não é necessariamente viver na casa. Nossa confiança de que Jesus é “O Único” nos leva a ir constantemente à escola com ele, levando nossa vida inteira conosco, e é em fazer isso que o amor vem impregnar nossa vida a ponto de sermos de maneira inequívoca seus alunos. Ele disse: “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” (Jo 13.35). Ele pode impor esse desafio a si mesmo como mestre porque não conhece nenhum outro que possa produzir a transformação humana que ele tem em mente.
Como discípulo de Jesus, estou aprendendo com ele como levar minha vida como ele levaria minha vida se fosse eu. Você está aprendendo como Jesus como levar sua vida como ele levaria a sua vida se fosse você. Sim, a vida que você tem. As mulheres não precisam se preocupar com serem excluídas dessa declaração. Por razões específicas, embutidas em sua missão, sem dúvida, ele precisava ser do sexo masculino. Mas fora algumas circunstâncias localizadas, não há nenhuma pessoa nesta terra que Jesus não poderia ter sido. Ele veio de forma humilde e assim viveu (Fp 2.5-11). ELe abdicou do poder supremo. Aprendeu a viver no reino de Deus como ser humano comum. Deus também estava na vida humana comum. A “encarnação” não diz respeito apenas aos eventos de sua concepção e nascimento. Ela representou o vestir-se de “carne” em todo o seu significado humano. Ele poderia viver em suas circunstâncias agora. Poderia ser você e ainda viver no reino de Deus. Você pode ser seu aprendiz, não importa quem você é e onde você esteja. É como seus amigos pessoais, vivendo interativamente com ele, que conhecemos a verdade e temos a liberdade — o poder sobre o mal — que vem com esse conhecimento (Jo 8.31-32)
(Dallas Willard, Conhecendo a Cristo Hoje, pp. 64-67)

VIA DLIVER BLOG