Quando orardes, dizei: Pai!

Algumas observações sobre o evangelho do XVII Domingo Comum deste ano C: Lc 11,1-10.

A primeira coisa que nos deveria impressionar é que Jesus rezou. Ele, nosso Salvador, durante toda a sua existência rezou e mandou-nos rezar sem jamais desfalecer. É necessário que rezemos, pois sem a oração, Deus é reduzido a uma idéia fria e distante. Somente a oração nos abre realmente para o Senhor e nos dá a consciência do que somos e de quem ele é. Quem reza vive na verdade, porque vê com o olhar de Deus. Quem não reza se torna ateu… Mesmo que diga que crê, viverá e sentirá como se Deus não existisse realmente.
Ao pedido do discípulo – “Ensina-nos a rezar!” – Jesus responde com o Pai-nosso. Note, caro Visitante, que toda a tensão, todo o movimento dessa oração, modelo de toda oração cristã, é o Deus a quem Jesus chamava de “Pai”! Rezar como Jesus é abandonar-se amorosamente nas mãos do Senhor, participando da experiência do Filho Amado: Deus é o Papai querido! Rezar como cristão é experimentar-se filho no Filho Jesus, aconchegando-se, assim, no Coração do Pai do céu. Sendo assim, note como Jesus nos ensina a nada mais pedir, a não ser que o nome de Deus (Pai!) seja santificado em nossa vida e que, assim, o seu Reino aconteça em nós e no coração do mundo. Somente depois é que o Senhor nos ensina a pedir por nossas necessidades, com a certeza de que tudo é dom do Pai e esse Pai é presença na miudeza de nossa pobre vida. Deus não é Deus de longe somente, mas de perto, de pertinho de nós…
Importante também da dimensão comunitária do cristianismo e da oração cristã: Deus não é somente meu Pai; é Pai nosso. Jesus não nos ensina a pedir somente o meu pão, mas o pão nosso! Ninguém será verdadeiramente cristão se pensar que pode sê-lo de modo isolado e egoístico! Abrir-se para Deus é abrir-se para o mundo!
Depois Jesus, de modo impressionante, ensina-nos a ser persistentes na oração de súplica. Pedir, bater, procurar… O Senhor nos escuta e acolhe nossas súplicas. Mas, aquele que reza em nome de Jesus e como Jesus, dirá sempre: “Não se faça a minha vontade, mas a tua seja feita!” E assim experimentará sempre que o Pai nos atende, preocupa-se conosco e dá-nos conforme a sua infinita sabedoria… Se rezarmos como Jesus, ainda que não compreendamos bem o que nos acontece, diremos sempre: “Por tudo e pra sempre: obrigado, Senhor!”
Finalmente, Jesus nos explica que o Dom que a oração nos obtém não são primeiramente coisas, mas o Dom por excelência: o Espírito Santo de Jesus, que nos dá os sentimentos e as atitudes do Cristo e nos joga no coração do Pai! Este é o grande Dom, pois nos abre o verdadeiro sentido da existência!
Rezemos sempre, sem jamais desfalecer! Descobriremos a presença de Deus nos nossos caminhos, veremos o sentido profundo de tudo quanto nos acontece e seremos sábios realmente, descortinando o verdadeiro sentido da vida!

Via Padre Henrique
Estudos Bíblicos