ATÉ QUE ME PROVEM O CONTRÁRIO, SOMOS TODOS HIPÓCRITAS

Por favor, não me tenha por agressivo. O que descrevo nas linhas abaixo é apenas o retrato em preto e branco daquilo que realmente somos. Em minha já longa estrada é o que mais vejo no meio religioso. Até os verdadeiros santos admitem que são hipócritas. Somos o nosso próprio arquétipo. Mas se você é daqueles que “já alcançou grau elevado” acima dos simples mortais siga adiante e nem se dê ao trabalho de ler o texto. Ele foi escrito para os que estão na terra, os que choram pelas suas graves deficiências, os que não gostariam de ser o que são, cheios de falhas, mas ao mesmo tempo se encantam quando se veem abraçados pela graça, que os eleva à condição de pecadores maltrapilhos assentados à mesa no banquete do Grande Rei. É para esses, incluindo a mim, que o texto foi escrito, não para você.
Somos hipócritas quando usamos o nosso verdadeiro perfil nas redes virtuais para “vender” credibilidade, mas não nos causa nenhum asco usar “fakes” de toda ordem para expor a podridão do nosso coração.
Somos hipócritas quando em nossos discursos aparentamos usar e enaltecer a graça, mas, ao contrário, em nossa prática valorizamos com desavergonhada idolatria o sistema religioso.
Somos hipócritas quando usamos a fé em nossos mais diversos relacionamentos para ganhar a confiança, mas, na verdade, o nosso interesse é mesmo construir um reino estritamente pessoal.
Somos hipócritas quando exteriormente demonstramos simpatia por alguém, até com um sorriso maroto nos lábios, enquanto, por dentro, o nosso autêntico desejo é comer-lhe o fígado.
Somos hipócritas quando vestimos uma roupa que não nos cabe e nem nos pertence e queremos com isso que as pessoas acreditem que somos aquilo que não somos.
Somos hipócritas quando usamos a graça como desculpa para pecar, mas não nos submetemos a ela para resistir ao pecado.
Somos hipócritas quando dizemos alto e bom som que os nossos feitos são para a glória de Deus, mas nossa linguagem, em sua mais arguta sutileza, demonstra que, no fundo, são mesmo para a nossa glória.
Somos hipócritas quando criticamos o comercialismo sem escrúpulo que grassa desavergonhadamente no meio evangélico, mas adotamos ao mesmo tempo, ainda que em menor escala, o mesmo comportamento, como “caixeiros-viajantes” pelo país.
Somos hipócritas quando nos tornamos a palmatória do mundo em nome de aparente santidade, mas na verdade isso não passa de biombo para esconder as próprias fragilidades.
Somos hipócritas quando, para demonstrar zelo pela Casa de Deus, não nos constrangemos em expor os “grandes” pecados alheios, enquanto em nossa vida pessoal nos olvidamos dos “pequenos” pecados, que praticamos cada dia.
Somos hipócritas quando desprezamos a integridade e passamos a defender o erro em nome de suposta fidelidade.
Somos hipócritas quando, para aparentar nobreza de caráter, subjugamo-nos à lei, vilipendiamos a graça e, por causa disso, alimentamos cada vez mais o nosso complexo de culpa.
Somos hipócritas quando, em nome de suposta educação, deixamos de ser o que somos com o temor de nos tornarmos desagradáveis.
Somos hipócritas quando, em nome de interesses próprios, abrimos mão de convicções espirituais para receber benefícios de uma circunstância.
Somos hipócritas quando em nossa itinerância tornamos a nossa pregação mecanicista, como se fosse o mero repetir de uma gravação, simplesmente para agregar valor ao “produto” que vamos vender ao final da reunião.
Há remédio contra a hipocrisia? Ela é parte de nossa natureza, que abriga também outros sentimentos nada confortáveis. Lutar contra a hipocrisia em nossa força carnal de nada adianta. Submetê-la ao legalismo da opressão religiosa só faz aprofundá-la. Nosso conforto é simplesmente submeter-nos sem reservas à bendita e doce graça do nosso amado Jesus para que ela seja a força motriz a moldar o nosso caráter e para onde possamos correr todas as vezes em que a hipocrisia, ou qualquer outro maléfico sentimento, aflorar em nossos relacionamentos. Se você é honesto, há de concordar que isso ocorrerá com certa frequência, mas a graça estará ali como o seu abrigo nas horas do fracasso. Chegará um tempo em que esses sentimentos já não terão domínio sobre o seu coração, ainda que vez ou outra queiram manifestar as suas unhas afiadas.
Mas, por favor: não se sobreponha à graça. Ela é suficiente.

Via Geremias Do Couto

ELE DEVE COMPREENDER E ACEITAR COMPLETAMENTE A IMPORTÂNCIA DE CUMPRIR COM PONTUALIDADE SEU COMPROMISSO NÃO-ESCRITO, QUANDO CHEGAR A HORA DA MEDITAÇÃO. SE ELE TEM O CUIDADO DE HONRAR SUA PALAVRA NOS COMPROMISSOS SOCIAIS OU PROFISSIONAIS, ELE DEVE, PELO MENOS, TER O MESMO CUIDADO EM HONRÁ-LA NOS COMPROMISSOS ESPIRITUAIS….

“Ele deve compreender e aceitar completamente a importância de cumprir com pontualidade seu compromisso não-escrito, quando chegar a hora da meditação. Se ele tem o cuidado de honrar sua palavra nos compromissos sociais ou profissionais, ele deve, pelo menos, ter o mesmo cuidado em honrá-la nos compromissos espirituais. Só quando ele vier a considerar, reverentemente, o Eu Superior como a outra parte, oculta e silenciosa, com a qual irá se sentar, só quando ele vier a considerar como assunto sério a impossibilidade de estar presente na hora predeterminada, poderá a prática desses exercícios trazer os frutos do sucesso.
Trata-se de uma experiência curiosa, experiência que acontece com frequência demais para não ter significado, o fato de um obstáculo ou outro surgir para bloquear a realização desse compromisso sagrado, ou alguma alternativa atraente se apresentar para tentá-lo a não o cumprir. O ego se ressentirá com essa perturbação de seus hábitos costumeiros e resistirá a esse esforço de penetrar em suas origens. O aspirante deve resistir a essa resistência. Não deve aceitar nenhuma desculpa de si mesmo. Sentar-se para meditar na hora marcada é uma decisão da qual ele não deve afastar-se debilmente, não importa que pressão sofra de fora ou surja de dentro de si mesmo. Afastar-se de outras pessoas para encontrar a necessária solidão, ou parar de fazer o que estiver fazendo para cumprir a promessa feita a si mesmo pode requerer dele toda a sua firmeza, mas no final valerá a pena.”
(Paul Brunton)