“MOMENTOS DE CRISE SÃO ABENÇOADOS” (ELIZABETH CAVALCANTE)

Momentos de crise são abençoados
:: Elisabeth Cavalcante ::

Quando estamos vivenciando um momento dificil, -em que tudo o que aprendemos, ou no que acreditávamos, parece repentimente inútil para iluminar nosso caminho, – sentimo-nos como alguém perdido em alto mar sem qualquer instrumento para se orientar.
Nestas ocasiões, aqueles que ainda não iniciaram a jornada interior são tomados pela angústia e pelo desespero. Muitos se perdem para sempre, entregues à insanidade, sem sequer buscar algum tipo de ajuda.
Outros, agarram-se aos tratamentos convencionais da medicina, que tratam apenas os sintomas, sem eliminar a causa raiz do sofrimento. Vivemos uma época desafiadora, em que os valores, até então, vistos como seguros e confiáveis começam a se desintegrar.
O que fazer para não sucumbir à loucura e ser capaz de encontrar nesta circunstância uma oportunidade valiosa de adentrar uma outra dimensão do ser, que a mente e sua pseudo-sabedoria jamais poderão conhecer?
Caminhos desconhecidos, até então, tornam-se agora a única saída para nos libertar das amarras as quais nos mantemos presos, unicamente pela nossa incapacidade de confiar em nossa percepção interior.
Somente quando o sofrimento se torna realmente insuportável é que começamos a questionar as bases nas quais fincamos nossa segurança, pois enquanto vivíamos apoiados nas verdades, ainda que ilusórias, que nos foram impostas pela sociedade, tudo parecia estar sob controle.
Agora chegou o momento de descobrir que existe dentro de nós um manancial inesgotável de sabedoria, capaz de nos guiar para a paz, a serenidade e a alegria, sejam quais forem as circunstâncias.
Aceitar esta realidade é o primeiro passo para que nos motivemos a iniciar a caminhada. Ainda que em princípio precisemos de auxílio para não deixar que a falta de confiança nos domine. Aos poucos, com paciência e perseverança descobriremos em nós o poder que emana de nossa fonte, o divino.
“Amado Osho,
Como o controle da sociedade sobre a mente das pessoas começa a se desintegrar, em tempos de crise social, como agora, parece haver uma tendência para um número crescente de pessoas ficarem abaixo da mente, na loucura. Além disso, é verdade que isto é acompanhado por uma tendência das pessoas a olhar para a possibilidade de ir além da mente para a iluminação?
Osho:
Tempos de crise são perigosos e extremamente importantes – perigosos para aqueles que não têm coragem de explorar novas dimensões da vida. Eles são obrigados a desintegrar-se em diferentes tipos de loucura – porque sua mente foi feita pela sociedade. Agora a sociedade está se desintegrando, a mente não pode permanecer; suas raízes estão na sociedade. É constantemente alimentada pela
sociedade – agora que a alimentação está desaparecendo.
Porque a sociedade está se desintegrando, uma grande suspeita, uma dúvida que
nunca esteve lá antes, é obrigada a surgir nos indivíduos. E se foram apenas pessoas obedientes que nunca foram além de qualquer limite que a sociedade decidiu, que sempre foram respeitados, cidadãos honrados – em outras
palavras, apenas medíocres – eles irão imediatamente enlouquecer.
Eles vão começar a cometer suicídio, eles vão começar a saltar do alto
de edifícios ou mesmo se eles viverem, agora eles não têm uma mente que possa ajudar -los a descobrir a situação de sua vida… podem tornar-se esquizofrênicos, divididos em duas pessoas – ou talvez uma multidão.
Em tempos de crise, o perigo é para aqueles que tenham gostado das vezes em que a sociedade foi resolvida, quando não havia nenhum problema, tudo estava à vontade, eles foram honrados, respeitados. Estas foram as pessoas que desfrutaram a obediência da mente, e estes vão ser os sofredores… Eles serão psicóticos, eles serão neuróticos – e estas palavras não fazem muita diferença.
…Mas os tempos de crise são de uma enorme importância para as almas ousadas que nunca se preocuparam sobre a respeitabilidade da sociedade, suas honras, que nunca se preocuparam sobre o que os outros pensam sobre eles, mas fizeram apenas o que eles sentiram certo fazer; que têm em certa maneira, foram sempre
rebeldes, individualistas.
Para essas pessoas, os momentos de crise são apenas de ouro – porque a sociedade está se desintegrando. Agora ela não pode condenar ninguém – ela própria é condenada, amaldiçoada. Ela não pode dizer aos outros que eles estão errados. Está se provando errada; toda sua sabedoria está provando apenas ser tola, supersticiosa.
Os indivíduos aventureiros podem aproveitar esta oportunidade para ir além da mente -, porque agora a sociedade não pode impedi-los… Agora eles estão livres.
Assim, momentos de crise são ambos … e é isso que está acontecendo em todo
o mundo. Nunca foi tão intensa a busca pelo crescimento espiritual, pela meditação. Mas nunca houve tanta loucura também. Ambos estão acontecendo porque o status quo não é mais poderoso, ele perdeu o controle.
…as pessoas mais inteligentes estão correndo em direção ao Oriente para encontrar alguma forma, algum método, alguma meditação – Yoga, hassidismo Zen, Sufismo,. Em algum lugar alguém deve saber como superar essa fase crítica, como ir além da mente tradicional e ainda se manter centrado, sensato e inteligente. Milhares de pessoas estão se movendo para o leste.
É muito divertido – porque milhares de pessoas estão vindo do Oriente
para o Ocidente para estudar a ciência, medicina, engenharia, eletrônica, e as
pessoas que sabem tudo isso estão indo para o Oriente, apenas para aprender a sentar-se silenciosamente e não fazer nada.
Mas é um momento bonito.. as pessoas que vão para além da mente irão criar o Homem Novo, a nova mente. E a coisa mais especial para ser lembrada sobre a nova mente é que ela nunca irá se tornar uma tradição, que será constantemente renovada. Se se tornar uma tradição, será de novo a mesma coisa.
A nova mente tem de se tornar continuamente nova, a cada novo dia, pronta para aceitar qualquer experiência inesperada, qualquer verdade inesperada… apenas disponível, vulnerável. Será uma emoção enorme, um grande êxtase, um grande desafio.
Então, eu não acho que esta crise é ruim, é boa. Algumas pessoas vão perder
suas máscaras, e vão ser realmente o que são – psicóticas, neuróticas –
mas pelo menos elas serão verdadeiras… Elas acreditaram muito na velha mente, e ela os traiu.
Mas o melhor da inteligência chegará a alturas desconhecidas antes. E se mesmo em um mundo tradicional, um homem como Gautama Buda ou Chuang Tzu ou Pitágoras foi possível, podemos conceber que na atmosfera que a mente vai criar, um povo mil vezes mais desperto, pessoas esclarecidas se tornará facilmente possível.
Se a nova mente pode prevalecer; então, a vida pode tornar-se um processo esclarecedor. E a iluminação não será algo raro, que acontece de vez em
quando a alguém muito especial, ela vai se tornar uma experência humana muito comum…”
OSHO – Além da Psicologia.

Elisabeth Cavalcante é Taróloga, Astróloga,
Consultora de I Ching e Terapeuta Floral.
Atende em São Paulo e para agendar uma consulta, envie um email.
Conheça o I-Ching
Email: elisabeth.cavalcante@gmail.com

VIA POSTAL STUM

Bel Cesar :: Sua Vida Está Sem Graça?

Sua vida está sem graça?
:: Bel Cesar ::

Com a rotina cheia e muitos prazos a cumprir, facilmente nos sentimos estressados e tediosos. Podemos produzir muito, mas corremos o risco de perder o sabor de nossas conquistas. Por isso, quando caímos na sensação de que a vida ficou sem graça, é hora de fazer algo para recuperar seu frescor.
O que lhe dá a sensação de encanto pela vida? Fiz esta pergunta para um grupo de 20 pessoas. Escutei respostas como: despertar de bem com a vida,
compartilhar descobertas ao participar de uma rede interdependente de pessoas e eventos, enfrentar os erros e acertos com a intenção de se conhecer e se aprimorar, ter contato com a natureza e relacionar-se com bebês.
Em outras palavras, o que gera encanto pela vida é manter um estado aberto para a existência. Isto é, deixar-se surpreender pelas pessoas, lugares, ideias, sentimentos e emoções. Quando estamos abertos ao mundo, deixamo-nos ser atravessados pelas experiências à medida em que elas surgem. O ponto mais importante aqui é compreender que este “atravessamento” só pode ocorrer quando há espaço em nós para deixar o outro entrar.
Quanto mais receptivos estivermos para o outro, mais ele poderá nos oferecer. Neste sentido, quando perdemos o encanto pelo mundo e temos um sinal de que estamos demasiadamente ego-centrados: nos tornamos o centro do mundo. Ao usarmos a nós mesmos como referencial de percepção do mundo, passamos a nos comparar demasiadamente com tudo e todos.
Quando nada mais nos surpreende, é sinal de que já estamos tão fechados e rígidos em nossos hábitos e crenças que perdemos a abertura necessária para nos deixarmos ser tocados pelo desconhecido. Estamos cheios de “nós mesmos”!
Com o domínio do mundo tecnológico perdemos o contato entre as pessoas. O excesso de automatismo tornou nossos relacionamentos tão superficiais que perdemos a profundidade humana sem nos darmos conta. Apenas quando reconhecemos a fragilidade dos vínculos afetivos, como a falta de um comprometimento num relacionamento, é que paramos para pensar onde erramos. Cabe ressaltar que este já não é mais um erro pessoal, é um risco coletivo!
Uma vez que a automatização nos distanciou da realidade externa, ficamos “desconectados” pelo excesso de conexão superficial. A superficialidade e o automatismo nos tornaram áridos, sem brilho existencial.
Pelo excesso de conceitualizações, pensamos mais do que vivenciamos. No entanto, a experiência de vivenciar o conhecimento é que dá o prazer de conhecer algo.
Segundo o mestre budista Lama Yeshe nos tornamos inseguros ao desenvolvermos um conhecimento intelectual que não é capaz de tocar nossa experiência interna. Ele dizia: “Muita gente adquire um incrível entendimento intelectual do budismo com facilidade, mas este entendimento é estéril se não fertiliza o coração.” Desta forma, Lama Yeshe estava nos alertando para não deixarmos nossos pensamentos tornarem-se mecânicos pois se isso ocorrer eles deixarão de produzir algo que nos despertará interiormente.
Portanto, se quisermos recuperar o encantamento pela vida, teremos que nos abrir para sermos transformados pelas experiências que a vida nos oferece. Sejam elas agradáveis ou não. Desta forma, aceitamos lidar tanto com o prazer como com a dor.
A vida tem sua graça quando há um constante senso de interesse e curiosidade. Superar nosso medo da abertura é um obstáculo que teremos inevitavelmente que enfrentar. Mas, lembre-se: essa dificuldade não é só sua!

Bel Cesar é psicóloga e pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano. Trabalha com a técnica de EMDR, um método de Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares. Autora dos livros Viagem Interior ao Tibete, Morrer não se improvisa, O livro das Emoções, Mania de sofrer e recentemente O sutil desequilíbrio do estresse, todos pela editora Gaia.
Visite o Site
Email: belcesar[arroba]ajato[ponto]com[ponto]br

JESUS (ucembrasil.blogspot.com)

“Enquanto oro, observo em minha mente o encontro com um Jesus de pele escura, feições fortes e másculas, típicas da região onde viveu. Seus olhos são cristalinos e serenos. Sinto cheiro de rosas e, na boca, sabor de mel. Quando fala, sua voz é firme e amorosa. Um calor materno me envolve o coração, agora totalmente livre de medo ou dúvida. Sei que esta é apenas uma percepção particular – aquela que me é útil agora. Formas mudam o tempo inteiro. Cristo nem mesmo é um corpo (e, ao mesmo tempo, pode refletir qualquer um). Não importa. Aquilo que sinto diante dele me faz lembrar que há um jeito diferente de viver: mais suave e doce. Através dele, compreendo profundamente que o amor é a maior força que existe. Que tesouro mais rico poderia haver do que sentar à mesa com ele e todos os outros num banquete de iguais? Poucos minutos de disponibilidade, Jesus se comunica comigo através da maneira que eu possa entender, em sua majestosa generosidade e compaixão. Sua fé em mim me comove: acredita em mim mais do que eu. Sabe que todos nós, cedo ou tarde, nos reconheceremos Cristo. Este é o nosso destino. E, enquanto ainda existe desejo por sonhar, ele nos aparece do exato jeito que precisamos naquele instante. Então, o comum se revela divino.”

VIA UCEM BRASIL

PEQUENO GESTO

A cada passo, um pensamento de amor. A plenitude está aqui. De repente, nos abrimos ao olhar santo, então vemos o que sempre estava lá, embora nunca percebêssemos. Nada grandioso precisa ser feito – basta envolver tudo num abraço terno. Um beijo, símbolo do acolhimento, sela um relacionamento livre. Incluir dentro do coração aquele que chega é o maior dos espetáculos. Tão discreto, tão sublime, tão suave e inteiro. Cristo nos toca e o mundo sorri. Todos os semblantes se pacificam. O milagre nasce do gesto mais simples. A cada passo, um pensamento de amor.

VIA UCEM BRASIL

ESCOLHA NOVAMENTE

POR BARBARA GIELAN

Uma das passagens mais bonitas do Um Curso em Milagres se chama “Escolhe outra vez” no capitulo 31 do texto.
A escolha que o livro se refere e sempre entre a parte divina que temos e a mente que aceita o corpo e suas limitações como sua identidade. Esta escolha eh sempre uma oportunidade de se poder tentar novamente a sair da ilusão que criada.
“as provações são apenas lições que falhastes em aprender apresentadas mais uma vez de forma que onde antes fizeste uma escolha faltosa agora possa fazer outra melhor e assim escapar de toda a dor que o que escolheste antes trouxe a ti. Em toda dificuldade, toda aflição e a cada perplexidade, Cristo te chama e gentilmente diz: “Meu irmão, escolhe outra vez.”
A mensagem de que existe uma outra escolha, que a oferta para se tentar novamente esta sempre presente, livra a mente do pensamento de culpa e punição. O sentimento de falha, a sensação de finalidade, são substituídas por sentimentos de esperança e otimismo.
Mas a mensagem mais poderosa vem da certeza que não importa quantas vezes a pessoa tem que escolher, que eventualmente a luta contra a escuridão, o desanimo, a crença de que somos apenas um corpo vai perder a sua influencia.
Cada situação apresentada, cada desafio, e sempre uma oportunidade para que o ser humano possa mais uma vez avaliar os seus pensamentos e que tipo de mensageiros esta mandando ao mundo para que lhe mostre o que pensa internamente.
De acordo com os ensinamentos, a escolha e sempre entre a fraqueza e a forca interna. Entendendo as fraquezas humanas, estes ensinamentos querem relembrar o estudante, que existe uma forca maravilhosa dentro de si, capaz de trazer paz e serenidade.
“Eu sou como Deus me criou. O Filho de Deus nada pode sofrer. E eu sou o seu filho”
“Assim eh a forca de Cristo convidada para prevalecer substituindo todas as tuas fraquezas com a forca que vem de Deus que nunca pode falhar”

Estas palavras devem ser usadas todas as vezes que uma decisão esta sendo tomada, que uma escolha esteja sendo feita. O propósito desta oração e chamar a parte divina internamente para auxiliar esta decisão.
A intenção destes ensinamentos e mostrar que o mundo de dor e tristeza e apenas uma ilusão criada pelo ser humano através de suas experiências passadas. Estes pensamentos estão sempre relembrando que a imagem de fraqueza, de desanimo, de depressão, representam a totalidade da existência humana.
Treinar a mente a ver a sua forca interna, meditar nesta forca, orar para que esta forca esteja sempre a frente de suas ações, cria eventualmente uma confidencia inabalável. Praticando esta maneira de pensar, vai aos poucos fortalecendo a sua parte divina. Aos poucos se forma um habito perguntar ao universo, a sua forca interna que escolha cada ação feita.
Em um mundo onde a mente egoica prevalece, onde fala mais alto, eh necessário trazer a consciência, o pensamento que existe uma maneira melhor de se viver.
Mas esta escolha, para ser enforcada internamente tem que ser compartilhada com o próximo. Compartilhando a bondade, amor, compaixão, generosidade, positividade e todas as emoções que existem dentro do divino, devem ser sempre divididas com os seus irmãos.
Cada vez que se escolhe novamente, mais próximo do mundo oferecido pelo o universo aqui nesta terra vai se tornando uma realidade. Quando operamos de um lugar de paz, de amor, a vida se transforma. Onde existia o inferno, as emoções de raiva, desespero, agora existe uma comunhão com um mundo onde o amor e supremo. Os dias começam a se tornar mais tranqüilos, mais serenos e internamente uma paz descende para substituir a ansiedade e dor.
Desejo que esta paz seja alcançada.

VIA BLOG HARMONIA & PAZ

FELICIDADE EM 2 PARTES

POR BARBARA GIELAN

Não existe nada mais importante para os seres humanos do que encontrar felicidade.
O problema eh que não entendemos como fazer para alcançar este estado de paz interna. Cada um pensa que tem uma idéia de como fazer, porem em realidade a maioria não sabe. Uma grande mudança nestes últimos anos, especialmente entre as gerações mais jovens, eh a conscientização que este sentimento não vem de coisas externas. Eh um estado mental obtido internamente. (leia os meus artigos sobre psicologia no meu blog Milagres da Mente).
Podemos obter felicidade, sem duvidas. Mas precisamos ajudar este processo a se tornar uma realidade, alem de desejar que as coisas mudem magicamente.
As lições no Um Curso em Milagres, 101, 102, 103, discutem o que felicidade eh, e como se obter.
O ego, como sabemos eh formado pela nossa mente, baseado nas experiências passadas. Nesta parte da nossa mente existe um grande drama ocorrendo sem estarmos na maioria das vezes cientes do que esta acontecendo.
Pensamos ser pecadores e precisamos expiar estes pecados. Quando pensamos que o pecado e real, nos precisamos pagar por ele. Para a maioria das pessoas o pecado e real e requer sofrimento.
Pensando desta maneira não eh difícil entender porque as pessoas estão sempre se sentido infelizes.
Para aqueles que estão mais acordados, em principio eles sabem que esta maneira de pensar eh errada, porem ainda não sabem como colocar este conhecimento em ação, colocar em pratica estes princípios. Muitas vezes, porque ainda estão lidando com um ego muito forte que resiste mudanças.
Para aqueles que estudam o Curso, o treinamento da mente torna estes obstáculos mais fáceis de contornar.
O que aprendemos no Curso eh que fazemos parte de um plano. Todos nos. Somos espíritos perfeitos. Estamos vivendo em uma comunidade. Sempre protegidos. O sentimento de que somos órfãos neste mundo aos poucos vai desaparecendo. Sentimos que, mesmo por momentos, que uma forca infinita esta tomando conta de nos. Isto acontece, porque estamos praticando as lições e a nossa mente esta mudando, começando a pensar de uma maneira diferente, isolando aos poucos o ego que quer nos prender ao passado. Mas como digo sempre, o Curso nao e o único caminho espiritual, outras filosofias como Budismo, etc. nos levam aos mesmos resultados.
Eh muito fácil querer permanecer neste passado, pois nos da uma identidade. Eh familiar, sabemos que podemos sempre contar com as emoções que temos carregado durante a maior parte do tempo.
Podemos querer, dizer, usar afirmações positivas, mas ate o momento que decidimos mudar a maneira errada de pensar, continuaremos a ir ao passado, inconscientemente ou não, para obter as nossas experiências no presente.
Lição 101 diz “A Vontade de Deus para mim eh a felicidade perfeita.”
Se isto e verdade porque temos tantos problemas em realizar a Sua Vontade? Se lembra do livre arbítrio? Mais abaixo a lição diz: Tu ainda acreditas que a salvação pede sofrimento como penitencia pelos teus “pecados”
A lição 102 diz: “Eu compartilho com a Vontade de Deus de felicidade para mim” A simples pergunta que devemos fazer e a seguinte: Se Deus quer a minha felicidade, porque a minha mente luta o tempo todo para fazer o oposto?
Porque como disse acima, nos de uma maneira muito triste fazemos tudo para permanecer infelizes. Afirma que somos culpados e que precisamos pagar pelos “pecados que pensamos ter cometido”
Afirmações como “Eu compartilho a Vontade de Deus de felicidade para mim, e aceito como minha função agora” e uma das maneiras de treinar a mente a aceitar uma maneira nova de pensa.
Outra maneira, eh pensar que na comunidade do universo, como espíritos nos somos felizes. Afirmar que a felicidade esta dentro de si, apenas tem que dar uma chance para vir a tona. Pensar constantemente, em tudo que faz na vida, que existe uma parte de si que e fantástica esperando para lhe guiar, dar conselhos e lhe mostras que o passado não existe mais. Que existe uma saída para os seus problemas.
Acreditar dentro de si que não existe pecado, apenas erros neste tempo e espaço, que não requerem punição, mas compaixão e amor.
Então, em vez de sonhar com esta possibilidade, seja ativa, participe com o universo na sua recuperação. O caminho espiritual e composto de uma serie de ações conscientes, para dissolver o inconsciente, amenizar a separação.
Então, o primeiro passo e pensar que você nunca esta sozinha. Existe uma comunidade de espíritos lhe protegendo. Que você eh espírito e participa desta comunidade a todos os momentos. Chame esta parte sua interna, para lhe ajudar a todos os momentos do seu dia e quando vai dormir.
Como o Curso diz “a nossa única função aqui eh felicidade.”
Esta eh a primeira parte, uma combinação de espiritualidade/psicologia.
A segunda parte eh totalmente psicológica.
Aqui vou sugerir que leiam a minha entrevista com Michelle Gielan sobre Psicologia Positiva no meu blog Milagres da Mente para entender e praticar o que ela recomenda para manter internamente uma emoção positiva para encontrar felicidade.
Estes dois componentes, o espiritual e psicológico sendo usados, transformam a sua idéia abstrata de felicidade, do desejo de um dia ser feliz, para a realidade de encontrar felicidade agora.
Desejo a vocês todos um mundo real de felicidade.

VIA BLOG HARMONIA & PAZ

O QUE É “UM CURSO EM MILAGRES”? – UCEM BRASIL

“Um Curso Em Milagres é um livro que aborda como o perdão e o amor podem facilitar o encontro de nossa verdadeira felicidade. A maneira como vemos o outro define a maneira como vemos a nós mesmos. Assim, a transformação de toda mágoa ou medo é o princípio de nossa auto-descoberta como seres iluminados.
Embora o livro tenha uma base e terminologia cristãs, não incentiva o uso da forma específica de sua linguagem como ferramenta de exclusão, cisma ou doutrinação. As palavras que possamos dar às experiências transcendentes universais não devem ser obstáculos ao simples encontro entre pessoas, baseado na confiança e no amor. Cada um nomeará essa experiência maior como desejar, embora ela seja idêntica para todos, na sua essência mais pura.
Como Um Curso Em Milagres é um livro canalizado, a voz que o dita se apresenta como Jesus. Seu objetivo é nos ajudar a retirar os obstáculos que nós mesmos construímos contra a nossa paz, além de corrigir alguns mal-entendidos que fizemos a respeito de seus ensinamentos de dois mil anos atrás. Entre essas correções, ele propõe, por exemplo, que Deus é só amor e jamais pode julgar Seu Filho; que todos voltam pra casa juntos, de forma que não existem escolhidos e excluídos; e que nossa mente é capaz de projetar ódio ou estender amor, dependendo daquilo que decidimos escolher internamente. Neste sentido, Jesus nos oferece um caminho teórico e prático para a iluminação.”
(VIA UCEM BRASIL)

CAIO FÁBIO – A RECEITA DE CURA DE ISAÍAS

Isaías 58 nos diz que o que cura é o amor.
Não adianta ora, jejuar, se humilhar, odiar com devoção piedosa o inimigo, dedicar-se aos cultos de vigília e combate, ou qualquer outra coisa, pois, sem amor, nada terá proveito; posto que sem amor toda existência se torne doença.
O cenário que Isaías divisava era caótico.
Um povo que vivia cheio de crenças e nenhuma fé.
Além disso, era um povo que se acostumara a usar a crença como macumba para soluções de problemas.
Oravam por contenda e para buscar diante de Deus alguma vantagem sobre o próximo em qualquer coisa ou área da vida.
Por isto, diz o profeta, eles secaram.
Oravam e não eram respondidos.
Jejuavam e apenas emagreciam…
Buscavam vantagens, mas tornavam-se estéreis como um deserto.
Suas obras viravam ruínas em seus próprios dias…
Enquanto isto, eles, em sua insegurança, buscavam exercer controle e poder sobre os outros.
Por isto, prendiam, escravizavam, amarravam ao próximo ou o algemavam com cadeias de dependência ou de manipulação.
Então, vem Deus e diz:
Se vocês pararem de orar a oração do ódio, da contenda e da disputa, e se ao invés disso dedicarem-se a soltar as ligaduras da impiedade e a quebrarem toda dependência que vocês criaram ou que venham a encontrar posta sobre o próximo; e se vocês ao invés de se vingarem, tratarem o inimigo com bondade; e se abrirem a própria alma confessando fraqueza com os fracos, e se não fugirem do encontro com o próximo, o semelhante — então, Eu digo: Eu estarei com vocês de tal modo que serei glória nas costas de vocês e luz adiante de vocês; e serei Aquele que nem mesmo os deixará pedir ou clamar, pois, antes que o façam Eu já terei respondido; e antes que gritem…, Eu mesmo me adiantarei e direi: Ei! Eu estou aqui!
E mais:
Deus diz: Quando vocês começarem a curar o próximo e as relações de vocês com a vida, Eu mesmo curarei as doenças de vocês.
Desse modo, diz o Senhor:
Quem quer ser curado, ame; pois, quem cuidar das coisas do amor, esquecendo-se de si mesmo, esse será curado no caminho, enquanto liberta e cura outros.
Esta é a verdade do Evangelho de Deus para mim e para você!

Nele, que nos cura pelo exercício do amor,

Caio
22 de março de 2009
Lago Norte
Brasília
DF

Via CaioFabio.Net

A SUA CURA É O OUTRO…

Os caminhos do coração humanos são indecifráveis…
Você vê gente sofrendo de tudo, e vivendo como se tudo fosse normal. Você, por outro lado, vê gente sofrendo de nada como se sofresse de tudo…
Na realidade, cada vez mais, minha experiência vai mostrando que não há escolas psicológicas capazes de atender a cada alma humana.
De fato, cada alma demanda uma psicologia pessoal e particular…
Não dá pra dizer que Freud explica quase nada…
Freud explica a si mesmo…, e olhe lá…
Sua Psicanálise é auto-analise, por mais “cientifico” que ele pretendesse ser, posto que por mais isento que fosse, a “ciência” que ele praticava só poderia ser verificada a partir dele mesmo, não apenas de sua interpretação, mas de sua própria/particular/existencial experiência psicológica.
Há pessoas que me procuram com crises de contornos “freudianos”. Para tais pessoas Freud parece funcionar bem… Outras, porém, nada têm a ver com o que o Freud pressupôs houvesse em todo homem, sem que haja…
Nesses casos, tateio até ver a “porta de entrada” da pessoa, e, frequentemente, verifico que tal “entrada” não existe nas matrizes das linhas psicológicas clássicas ou pedagógicas, e, portanto, demanda uma psicologia singular, tecida entre você e a pessoa, até que o sistema esteja mais ou menos visível e, portanto, discernível.
Em outras palavras: tem que ser como Jesus praticava…
A “psicologia” de Jesus era simples e se servia das metáforas que as pessoas traziam ou compreendiam. Tudo, porém, tinha ver com “aquela” pessoa, e não com uma matriz psicológica universal.
Assim, com Jesus não há padrões… O padrão é o individuo…
Desse modo, cada pessoa demanda uma psicologia singular, por mais que os modelos psicológicos possam ajudar aqui e ali. No entanto, depender exclusivamente deles é pura tolice…
O modelo de Paulo, a confrontação, é o que vejo que melhor ajuda as pessoas, pois, de fato, trata-se de um método não metódico, é que busca discernir a essência da questão, e trata dela cara a cara, sem medo de afirmar, de indagar, de sugerir, de provocar, de perturbar mesmo… — até que a verdade vá aparecendo, e, assim, a pessoa vá se enxergando e tomando as decisões práticas quanto a debelar o vício do sintoma como mal a ser tratado como causa… sem que o seja.
Os pudores psicológicos atrasam em demasia a cura das pessoas…
Vejo pessoas oito, dez, doze anos em um terapeuta, ruminando os mesmos bagaços, pagando caro para serem ouvidos sem que isto deslinde qualquer coisa em seus interiores, até que chegue o dia da verdade…
Então, sem pudor, atendo a tais pessoas; algumas já sabem tudo de tudo, até mais que a maioria dos psicólogos, de tão profissionais como clientes que vieram a se tornar…
A surpresa para elas é que o que durara anos, por vezes em uma, duas, três semanas, ou em poucos meses, cede…; e, então, começa a abrir o espaço interior para que, pela via da confrontação, a pessoa comece a parar de chocar seus quase/dramas; e, assim, sem pena de si mesmo, sem transferências de nada para ninguém, sem auto-piedade ou auto-comiseração, o individuo comece a reagir; e, em não muito tempo, comece a ficar perplexo com os resultados…; sem saber a razão de não ter que ser um processo necessariamente tão longo e demorado no atingimento dos desejados resultados…
Na realidade o que a maioria das pessoas necessita é do encaramento na e da verdade!
Noto o despreparo brutal da maioria dos chamados profissionais de Psicologia. Alguns nada dizem apenas porque não têm mesmo o que dizer… Outros gostam da lentidão… Ela é lucrativa… Há ainda os que são tão doentes que fazem psicologia para se distraírem de si mesmos ouvindo os outros… Mas poucos há com consciência do que seja a ajuda que as pessoas precisam…
Ora… isto sem falar naqueles que são pagos apenas para consentirem com o devaneio do individuo…
São os Psicólogos do “vamos que vamos”…
Sim, você o paga apenas para que ele diga que você tem razão em soltar todas as frangas e todos os bichos do seu zoológico particular…
No meio disso tudo, há alguns profissionais da psicologia que são de fato muito bons, embora poucos.
O que me ressinto mesmo é do fato que se houvesse entendimento do Evangelho, e amor e limpidez de propósitos, todo verdadeiro pastor de almas naturalmente seria um psicólogo.
Mas quase não há tal coisa… A maioria dos pastores está tão perdida que nem mesmo dá conta de sua própria alma, quanto mais da dos outros!…
A receita de cura de Isaías é simples [cap.58]: liberte os oprimidos, quebre cadeias nos outros, franqueia a vida ao próximo, não fuja dele; e mais que isto: abra a sua própria alma com o aflito [deslocando o foco do “si-mesmo” para o outro] — pois, então, se diz: A tua cura brotará sem detença!…
A melhor terapia desta vida sempre será o serviço em amor!
Quem se esquece de si e arranja olhos para a vida, em geral ficará curado enquanto limpa feridas e cuida de angustias alheias…
Aquele, porém, que apenas cuida de si mesmo, de suas supostas dores, e concentra-se exclusivamente em sua angustia como elemento pivotal da existência universal, esse pode contratar o melhor psicólogo para que lhe ande a tira-colo, pois, ainda assim, jamais ficará curado…
Ninguém sabe em que espírito o Samaritano vinha sem seu caminho… Entretanto, pouco importa se ele vinha cantando, alegre, feliz e grato, ou se vinha sofrendo, angustiado e infeliz… Sim, o que importa é que ele olhou para o outro, o outro pior do que ele, o outro sem autodeterminação, caído no caminho… E mais: fez isso sem que importasse quem ele ou o outro fossem um para o outro…
Sem que fosse significativo como o Samaritano estivesse se sentindo, o que valeu foi o ato, foi o feito, foi a parada e o levantar do homem…
Sim, o importante não era a subjetividade, mas a objetividade da decisão…
Digo isto hoje porque vejo que muitos dos que me escrevem jamais ficarão curados enquanto não se esquecerem de si mesmos, e, enquanto não transformarem sua auto-vitimização em ação pró-ativa em favor da vida…
Pense nisto; e pare de lamber adoecidamente as suas próprias feridas…

Nele, que nos cura pela verdade e pela prática do amor voltado para aquele que vemos…, e que carece de graça e cuidado,

Caio
28 de maio de 2009
Lago Norte
Brasília

Via CaioFabio.Net