ELE DEVE COMPREENDER E ACEITAR COMPLETAMENTE A IMPORTÂNCIA DE CUMPRIR COM PONTUALIDADE SEU COMPROMISSO NÃO-ESCRITO, QUANDO CHEGAR A HORA DA MEDITAÇÃO. SE ELE TEM O CUIDADO DE HONRAR SUA PALAVRA NOS COMPROMISSOS SOCIAIS OU PROFISSIONAIS, ELE DEVE, PELO MENOS, TER O MESMO CUIDADO EM HONRÁ-LA NOS COMPROMISSOS ESPIRITUAIS….

“Ele deve compreender e aceitar completamente a importância de cumprir com pontualidade seu compromisso não-escrito, quando chegar a hora da meditação. Se ele tem o cuidado de honrar sua palavra nos compromissos sociais ou profissionais, ele deve, pelo menos, ter o mesmo cuidado em honrá-la nos compromissos espirituais. Só quando ele vier a considerar, reverentemente, o Eu Superior como a outra parte, oculta e silenciosa, com a qual irá se sentar, só quando ele vier a considerar como assunto sério a impossibilidade de estar presente na hora predeterminada, poderá a prática desses exercícios trazer os frutos do sucesso.
Trata-se de uma experiência curiosa, experiência que acontece com frequência demais para não ter significado, o fato de um obstáculo ou outro surgir para bloquear a realização desse compromisso sagrado, ou alguma alternativa atraente se apresentar para tentá-lo a não o cumprir. O ego se ressentirá com essa perturbação de seus hábitos costumeiros e resistirá a esse esforço de penetrar em suas origens. O aspirante deve resistir a essa resistência. Não deve aceitar nenhuma desculpa de si mesmo. Sentar-se para meditar na hora marcada é uma decisão da qual ele não deve afastar-se debilmente, não importa que pressão sofra de fora ou surja de dentro de si mesmo. Afastar-se de outras pessoas para encontrar a necessária solidão, ou parar de fazer o que estiver fazendo para cumprir a promessa feita a si mesmo pode requerer dele toda a sua firmeza, mas no final valerá a pena.”
(Paul Brunton)